Kenguelekezé presta assistência técnica (AT) ao ARISO

um grupo comunitário da sociedade civil (CG) que segue ex-prisioneiros para reinserção social nas comunidades de origem.
No dia 6 de Abril de 2020, o governo de Moçambique, no âmbito do Covid-19, perdoou cerca de 5.032 cidadãos nacionais e internacionais presos em todo o país. Um número significativo de presos está em tratamento da tuberculose ou do HIV ou âmbos. A lei da amnistia e perdão permite que essas pessoas deixem os estabelecimentos penitenciários de volta às comunidades de origem. No entanto, isto pode causar interrupções no tratamento! Aqui é onde a ARISO, com financiamento do Fundo Global, coloca as mãos no seguimento de pacientes com TB/HIV entre ex-prisioneiros.
Para isso, a ARISO precisa de AT na forma de treinamento de activistas de campo em informações e conhecimentos mínimos, transmissão de conhecimento de trabalho, com o objectivo de maximizar a qualidade da implementação e do impacto do projecto. Aquí é onde entra a Kenguelekezé.
“Somos construtores de capacidade geral, somos construtores de capacidade específica de programas de saúdeˮ.
Kenguelekezé e ARISO protegem os direitos humanos na saúde.
Protegemos os ganhos do NFM-2.
De mãos dadas, vamos fazendo a parceria!
No Presidium, da direita para esquerda (representantes): Kenguelekezé, SERNAP e ARISO.

Deixe um comentário